Câmara dos Deputados: Mulheres podem surpreender

Paula Belmonte (PPS) aparece em quarto e é a única entre os primeiros que nunca disputou eleições

690

A disputa pela Câmara dos Deputados reserva surpresas. Além da alta renovação que já se espera, com cinco dos oito deputados federais que decidiram não disputar reeleição, novas figuras aparecem no cenário político. As lideranças já conhecidas terão que lidar com nomes como a empresária Paula Belmonte (PPS), que estreia na política e já alcança o quarto lugar nas intenções de voto. Ela é uma das várias mulheres bem cotadas para assumir as oito cadeiras da bancada do Distrito Federal.
Já se sabe que Rogério Rosso (PSD) e Alberto Fraga (DEM) não darão expediente no Congresso Nacional em 2019, porque tentam chegar ao Palácio do Buriti. Já Izalci Lucas (PSDB) quer um gabinete no Senado Federal e Ronaldo Fonseca (Podemos), atualmente ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, não disputará cargos este ano. Os três nomes que restam tentam ser reconduzidos, mas talvez sem a mesma força de antes.
A petista Érika Kokay foi apontada a líder da pesquisa do Instituto Exata Opinião Pública*, realizada no dia 7 de setembro. Mas talvez a única deputada mulher tenha dificuldades por conta da chapa da própria legenda, que não conta com a força de eleições anteriores. Em segundo lugar está o deputado distrital Júlio César (PRB), ungido pelos pastores da Igreja Universal, mesmo depois do escândalo de corrupção da Operação Drácon. O terceiro lugar ficou com a ex-primeira dama Flávia Arruda (PR). Com a inelegibilidade de José Roberto Arruda, cassado e preso em 2010, restou à esposa a missão de garantir a continuidade da família no poder.

Novidade
Sem nunca antes ter testado o próprio nome nas urnas, a empresária Paula Belmonte apareceu em quarto lugar. Os cinco meses de carreira política foram suficientes para que ela estivesse entre pessoas conhecidas do eleitor de Brasília. A novata vê com naturalidade a citação espontânea.
“Significa que as pessoas estão cansadas dos mesmos, que se perpetuam no poder e não atendem as reclamações do cidadão. Para piorar, a corrupção dá o tom nas negociatas. O balcão de negócios parece que a política virou claramente deixou o cidadão descontente”, afirmou.
O combate à corrupção e a necessidade de investir em educação dão o tom das propostas de Paula Belmonte. Ela acredita que esses são os pontos centrais para o desenvolvimento do país.

Velhos conhecidos
Tadeu Filippelli (MDB) foi o quinto mais citado pelos eleitores. Após ser derrotado em primeiro turno ao lado de Agnelo Queiroz (PT), o ex-vice governador tenta uma vaga na Câmara dos Deputados. Em seguida aparece a deputada distrital Celina Leão (PP), que exercia a presidência da Câmara Legislativa até que a Operação Drácon destituísse toda a Mesa Diretora. Apesar do desgaste, ela tenta um novo cargo.
Em busca da reeleição, o deputado federal Laerte Bessa (PR) conseguiu o sétimo lugar e o oitavo foi o deputado distrital Israel Batista (PV).
*Pesquisa registrada sob o número DF-02709/2018

SHARE