Moradores constroem academia na Praça

Unidos em prol da própria saúde e da qualidade de vida, vizinhos usam os próprios recursos para construir equipamentos na QI 20

3465

Os Pontos de Encontro Comunitário, ou PECs (academia ao ar livre que se espalharam pelas praças do Guará) são pontos muito procurados por quem gosta de fazer exercícios físico. Aparelhos como simulador de caminhada e de cavalgada, pressão de pernas, alongamento foram instalados pelo governo em vários locais da cidade. Mas, a falta de manutenção e o vandalismo nos equipamentos , fizeram com que muitos moradores parassem de frequenta-los. Pensando em uma forma de ampliar as modalidades oferecidas pelos aparelhos e na saúde da comunidade, Kauê Campanella, morador da QI 20 do Guará I, resolveu criar, com a ajuda de amigos, uma academia gratuita em sua praça.
Há cinco anos, quando havia apenas uma quadra de futevôlei na praça, começou a empritada. A proposta foi se espalhando e a ajuda chegou, cada um ajudou como pode, com apoio financeiro, equipamentos e até mesmo mão de obra. Assim, contrui-se um ponto de lazer que beneficia os moradores e quem passa por ali, tornando-se um local de encontro de amigos e familiares.
“Espaços como este proporcionam bem-estar aos moradores com muito mais vantagens do que as academias convencionais. Além de incentivar a prática de exercícios e prevenção da saúde”, explica Kauê. “Queremos possibilitar a execução de atividades, com equipamentos mais diversos e possibilitar a socialização da comunidade do Guará. Esse projeto representa a comunidade, tomando a frente diante de tanto descaso com o esporte e a prevenção a doenças causadas pelo sedentarismo”, continua.

“O projeto da academia ao ar livre entre quadras da 20/22/16 do Guará I, é apenas um piloto. A ideia é espalhar para outras quadras do Guará, oferecendo oportunidade para que a comunidade seja inserida no esporte”, explica o idealizador Kauê Campanella

Mutirão de construção
A construção da academia recebe elogios da comunidade. “Eu me encantei com o projeto porque sentia que precisava sair do sedentarismo, mas não tinha como bancar uma academia. As pessoas da comunidade podem se beneficiar por meio do convívio e do comprometimento”, afirma Rebeca Techmeier dos Santos, moradora da QI 22, que destacou a importância do local no incentivo ao contato com a natureza e o cuidado com a saúde. Além de uma economia, já que o acesso é gratuito.
“A academia está aberta para toda a comunidade, ajudando a diminuir stress, ansiedade, depressão e más companhia, que está associado as nossas rotinas diárias”, disse Renato Santos, também morador da quadra QI 22. “A academia trouxe grandes benefícios para a comunidade, como experiência, saúde e bem-estar, pois ajuda a tirar os jovens da rua e idosos do sedentarismo”.
Mesmo com a contribuição da Administração Regional do Guará na doação das barras de ferro, o custo do projeto já chegou a R$ 8 mil. A construção ainda não acabou, os moradores sempre estão incluindo novos equipamentos para trazer uma qualidade para todos que usam a academia. O próximo passo é a cobertura e a grade de proteção.

SOURCEpor Wenderson Beckster
SHARE