Timeout, uma banda mais que especial

Projeto de inclusão social através da música envolve garotos com neurodiversidades se reúne toda semana no Guará

319
Os ensaios são no estúdio Formiguero, na QE 40 do Guará

Timeout Rock Band é uma banda que foi criada há apenas quatro meses, mas que traz uma mensagem relevante para a sociedade e que deve ser espalhada aos quatro cantos. É um grito à inclusão social de pessoas socialmente invisíveis, uma forma de dizer: “hey, nós também podemos!” Isso porque a banda é composta por quatro jovens espectros autistas – Ivan M. Sapha, João Henrique F. Lopes, Matheus Winkler e João Gabriel Mello, e os dois terapeutas – Paolo Rietveld e Carlos Augusto Oliveira, idealizadores do projeto que promove o convívio sociocultural por meio da música. O grupo que ensaia semanalmente no estúdio Formiguero, na QE 40 do Guará II.
A banda é apenas o início de um projeto que agregará outras expressões de arte, como pintura, poema, filme, dança, fotografia, desenho aos portadores de neurodiversidades (dislexia, transtorno do déficit de atenção e hiperatividade, espectro do autismo, entre outros). O objetivo é proporcionar diversão e descontração aos integrantes e automaticamente tem a função de tratamento. “Nosso projeto é terapêutico em todas as formas possíveis, seja em relação à autoestima para os meninos, seja em saber respeitar a vez do outro, e aprender repertório de habilidades sociais”, destaca Paolo Rietveld terapeuta e um dos idealizadores.
Projetos como este são raros no Brasil e exigem uma série de cuidados e adaptações nas apresentações, para que a banda seja aceita com o selo “Bom para Todos”. Nos eventos em que eles se apresentam, são distribuídos protetores auriculares descartáveis para os integrantes da banda e para quem necessitar na plateia (muitos portadores de síndromes tem sensibilidade auditiva), cardápio pictográfico (para os que não sabem ler) e cartilhas que apontam como lidar com as diferentes doenças.
Interação
“A intenção do projeto é fazer shows e levar a banda como uma maneira de semear manifestações sociais e tocar para toda sociedade em geral, não apenas para os portadores de síndromes. Queremos que haja cada vez mais uma convivência entre os públicos, para que ambos possam compartilhar o melhor de si. E nada melhor que a arte para promover essa interação”, afirma Paolo, segundo ele, quando estão tocando é momento ideal para deixar que os garotos sejam naturais e autênticos, e a sociedade mude um pouco os conceitos pré-formados. Para inaugurar nos palcos ao vivo, nada melhor que o Guará para receber a banda. Será dia 10 de dezembro, às 19h, no Zepelim Burguer, QE 40, rua 11 – Pólo de Moda.
Trabalho com autismo e neurodiversidades
A maior conquista já alcançada pela banda não veio de cachês, curtidas nas redes sociais ou popularidade. “Ver a iniciativa de cada um dos meninos ensaiando por conta própria em casa sem dúvida foi uma das maiores emoções até agora”, comemora Paolo. “Ao invés de terem um comportamento contraproducente (que não é produtivo) e movimentos repetitivos típicos do autismo, eles estão se desenvolvendo através da música, preferindo tocar ou cantar”, completa.
Especialmente na música, onde os instrumentos precisam estar em harmonia, cada nota tem o seu tempo, e as vozes precisam alinhar-se com a melodia, o desafio é árduo até para os terapeutas que tem um histórico musical e experiência no assunto. Para os garotos lidarem com seus limites adentrando no desconhecido, é uma superação diária e as conquistas vêm como consequência. “Queremos fazer música e que as pessoas queiram nos assistir; não porque somos uma banda de neurodiversidade, mas porque fazemos uma música boa de se ouvir, e ensaiamos muito para isso”, pontua o terapeuta.
No projeto de inclusão há outros integrantes que desenvolvem habilidades variadas, onde se sentem mais à vontade, como é o caso do Pedro Saboia, também diagnosticado com autismo e que desenhou a logo da banda. É o “pequeno repórter” como é chamado o Daniel Bertoni. Ele escreve alguns textos sobre a banda, faz as apresentações e ainda alegra as pessoas com seu talento humorístico. Para conhecer mais sobre o projeto e acompanhar as novidades, basta segui-los nas redes sociais @timeoutrockband.

SHARE