Adiada a concessão do kartódromo

A abertura dos envelopes com as propostas para gerir o Kartódromo Ayrton Senna pelos próximos 30 anos acontece apenas no dia 22 de maio. Esclarecimentos aos interessados motivou a ampliação do prazo

325
Durante a contrução das primeiras quadras do Guará II, nos anos 70. O kartódromo em primeiro plano, o estádio em construção, e a área do Cave, ainda sema a Administração Regional e a Feira

O Kartódromo Ayrton Senna foi a primeira estrutura construída no Centro Administrativo Vivencial e Esportivo do Guará, o Cave. O local receberia depois a sede da Administração Regional, a Feira do Guará, estádio, ginásio, salão de festas, estação do metrô, o Fórum do Guará e outras estruturas. Boa parte deste complexo, especialmente as estruturas voltadas para o esporte estão abandonadas ou subutilizadas. Hoje não geram benefícios à população tampouco ao Estado, e muito menos aos atletas da cidade.
Um destes casos é o Kartódromo Ayrton Senna, mesmo sendo a única estrutura esportiva do Cave com funcionamento regular, a única pista oficial de kart do Distrito Federal é subutilizada e gera pouco retorno ao governo e à cidade, aquém de sua capacidade.
Pensando nisto, o Governo do Distrito Federal decidiu adotar a parceria Público Provada como um modelo de gestão do complexo do Cave, divididas em duas concessões: uma exclusiva para o kartódromo e outra para o restante das áreas voltadas ao desporto. O edital para a concessão do kartódromo está publicado e tem diversos interessados, segundo o subsecretário de Parcerias Público-Privadas, Rossini Dias, responsável pelo processo.

Adiamento
A abertura dos envelopes com as propostas para a gestão do espaço estava prevista para o dia 12 de abril, porém, por conta de questionamentos dos interessados em participar da concorrência, o governo decidiu prorrogar o prazo para o dia 22 de maio. O mesmo aconteceu com a concorrência para a gestão do Centro de Convenções Ulysses Guimarães.

Concessão

“Não ouviram os pilotos nem os mecânicos que vivem do Kartódromo. Fizeram uma audiência pública no dia de um jogo da Seleção Brasileira nas Eliminatórias para a Copa do Mundo e, mesmo com a esmagadora maioria contra a atual proposta, o GDF deu prosseguimento a essa parceria”, argumenta José Argenta, atual concessionário do Kartódromo do Guará.

O kartódromo, gerido pela iniciativa privada, poderá receber treinos e provas profissionais, além de ter uma pista para kart indoor, para amadores, o que aumentará o fluxo de pessoas no local. Será uma forma de aproximar a população que não pratica o esporte profissionalmente da pista. Além disso, um aumento de área, pegando parte do estacionamento, permitirá a construção de uma praça de alimentação para atender aos praticantes, tornando-se mais uma opção de lazer para os guaraenses.
Conforme descrito no Edital nº 4, de 2018, o futuro concessionário pagará, a título de outorga, R$ 40 mil anualmente e poderá explorar comercialmente uma área de 69 mil metros quadrados, além de pagar IPTU e outros impostos, não recolhidos atualmente.
Caso decida fazer do lugar um kart indoor — onde alugam-se carros de corrida para competições entre pilotos amadores — e cobrar R$ 85 por bateria de 20 minutos, a empresa quitaria a mensalidade da outorga em apenas dois dias, considerando uma média de 25 pessoas pagando diariamente pela diversão.
Para justificar o valor da outorga anual tão baixo, a empresa vencedora terá de se comprometer a investir R$ 13,9 milhões na modernização do kartódromo e torná-lo apto a sediar competições nacionais e internacionais. Para atender às exigências da Confederação Brasileira de Automobilismo (CBA) e da Federação Internacional de Automobilismo (FIA), a pista será aumentada de 864 metros para 1,2 mil metros de

extensão. Já a largura passará dos atuais 6,8 metros para, no mínimo, 8 metros.
Segundo a pasta, “com a concessão, o Kartódromo será gerido pela iniciativa privada, que cobrará dos potenciais ocupantes os valores praticados pelo mercado. Por outro lado, os profissionais instalados no local atualmente passarão a ter segurança jurídica, ao contrário da situação que vivem hoje”.

Argumentos contrários
José Argenta, atual concessionário do kartódromo é a favor de melhorias no kartódromo, “contanto que o processo seja feito com clareza e ouçam quem está ali todos os dias”.
Outra reclamação de quem utiliza o Kartódromo do Guará é o preço a ser cobrado pelo parceiro privado para aluguel dos boxes. Atualmente, desembolsa-se uma taxa de R$ 150 para a utilização dos espaços. Pelo edital da parceria, o preço subirá para R$ 600.

SHARE