Marcos Dantas – “Precisamos criar uma nova forma de fazer política”

124

Ex-secretário do governo de Rodrigo Rollemberg (PSB) durante três anos e quatro meses e ex-administrador regional do Guará e do Lago Norte, o servidor público aposentado Marcos Dantas é pré-candidato a deputado federal às próximas eleições. Depois de se desincompatibilizar do Governo do Distrito Federal em maio, para concorrer ao cargo eletivo, Dantas tem caminhado por todo o DF para visitar os brasilienses e discutir propostas políticas.
Um dos homens de confiança de Rodrigo Rollemberg, Marcos Dantas atuou na gestão socialista durante a transição do governo e depois como secretário de Relações Institucionais, de Mobilidade e das Cidades. Agora, quer seguir a carreira política com mandato próprio.
Uma das características de Marcos Dantas é ser ficha limpa. O pré-candidato não responde a processos na Justiça. Confira, nesta entrevista, algumas das bandeiras que ele vai levantar durante o processo eleitoral.

Por que o sr. vai ser candidato?
É indiscutível que passamos por uma profunda crise política no país. E toda crise deixa algumas perspectivas. Se o Brasil não melhorar, todos nós vamos naufragar: os bons e os ruins. Precisamos criar uma nova forma de fazer política, que seja diferente, não porque é diferente, mas que seja minimamente honesta e que defenda os interesses do cidadão. Temos que reestruturá-la em um conceito sólido. Tirar a ética do desuso e levar para a prática. Precisamos tirar a desigualdade da estatística.

Qual a sua visão geral da política brasileira?
Defendo apenas uma reeleição para cargos públicos, a reforma política com maior facilidade para apresentação de projetos de iniciativa popular, o fim de regalias/benefícios para ex-presidentes e ex-governadores, a extinção do auxílio-moradia para juízes e parlamentares, o fim da aposentadoria especial para senadores, deputados, governadores e presidentes.

Se eleito deputado federal, como combater a corrupção?
Quero trabalhar pela total transparência dos gastos dos deputados, medida essencial para combatermos a corrupção. Meu objetivo é travar uma guerra contra a corrupção, que torna as obras e as compras mais caras, o que prejudica diretamente a população brasileira.

Como melhorar a segurança no país?
A criminalidade é um problema social. Temos que combater a pobreza e a criminalidade. Precisamos lutar para que as forças de segurança consigam um aumento justo dentro das possibilidades orçamentárias. É necessário valorizar e qualificar o efetivo policial e fazer o reaparelhamento das forças. Estimular discussões e políticas de integração e cooperação sistemática entre polícia e comunidade.

E a educação?
Sou servidor de carreira do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, e essa será, com certeza, uma das minhas bandeiras. Pretendo defender a autonomia universitária, trabalhar em propostas que possam erradicar o analfabetismo e combater o analfabetismo funcional. Vou lutar por recursos para que os governos Federal e Local consigam implantar propostas de internet banda larga em todas as escolas, pela ampliação dos ensinos técnicos e tecnológicos, por mais recursos para que os profissionais de educação tenham, sempre, melhores salários e qualificação profissional permanente.

A saúde também é um tema delicado. O que fazer?
Trabalhar por melhorias no sistema público de saúde, com a visão de que o SUS precisa ser mais eficiente e humanizado. Precisamos de uma ampla reforma na gestão do SUS. Fortalecer os programas nacionais e locais de saúde em casa e no trabalho. Ajudar no debate sobre a ampliação e aperfeiçoamento da educação e prevenção em saúde. Buscar mais recursos para que o profissional de saúde tenha maior qualificação profissional e melhores salários.

O que fazer pelo transporte público?
Como ex-secretário de mobilidade, quero continuar estimulando a discussão e o debate sobre inovação nas políticas de trânsito e transporte, baseados na mobilidade sustentável. Também pretendo buscar recursos para a expansão do metrô no Distrito Federal, fazer um amplo debate sobre a implantação do Veículo Leve sobre Trilhos e do Veículo Leve sobre Pneus em algumas cidades do DF, além de trabalhar para continuar ampliando o sistema de ciclovias nas cidades.

SHARE