Julia Lucy – NOVA DEPUTADA DISTRITAL E MORADORA DO GUARÁ

Eleita pelo Partido Novo, Julia Lucy Araújo é uma das novidades na Câmara Legislativa. Moradora do Guará há quatro anos, defende austeridade com os gastos públicos e transparência na gestão

1452

As eleições deste ano constataram que o eleitor brasileiro se cansou da velha política, a do toma-lá-dá-cá, das promessas mirabolantes e inexequíveis, e resolveu apostar em caras novas, inclusive na idade. Principalmente em quem promete transparência e em um jeito novo de fazer política. Quem soube e sabe usar a internet como veículo de propagação dos projetos de interesse da comunidade.
Nessa leva de novidades saídas das urnas no Distrito Federal está a guaraense Júlia Lucy, eleita deputada distrital na esteira dos 60% de renovação da Câmara Legislativa, com 7.655 votos, dos quais 790 no Guará.
Aos 32 anos, eleita pelo partido Novo, ela promete, – e garante -, que não será contaminada pelos vícios da velha política e que vai pautar seu mandato pela transparência e austeridade, no estilo do senador Reguffe, de quem é amiga e admiradora.
Para começar, ela diz que vai abrir mão da verba indenizatória mensal, de R$ 15 mil, aquela que os deputados distritais podem usar para manter escritórios em suas bases, comprar gasolina suficiente para dar voltas ao mundo, contratar consultores de araque, alugar carros de cabos eleitorais, entre outros desvios já comprovados no uso do recurso.
O certo, porém, é que Júlia Lucy foi uma das grandes surpresas destas eleições. Não constava em nenhuma pesquisa de intenção de votos e nem era motivo de aposta nas rodinhas de entendidos em política no DF. O que esse meio político não sabia é que ela era uma das expoentes do movimento Câmara + Barata, que prega a redução dos custos da Câmara Legislativa em cerca de R$ 300 milhões por gestão, com a redução das verbas de gabinete, da verba indenizatória e dos gastos com publicidade.

Uso da Internet
Mas, enquanto difundia essa proposta através da rede de mulheres Ligadelas que criou na Internet, Júlia foi pra rua em busca dos votos que pudessem levá-la à Câmara legislativa. “Começava às 6h da manhã e ia até 1h da madrugada panfletando e divulgando minhas ideias”, conta.
Moradora há quatro anos do edifício Islas, na Área Especial 4, na via contorno do Guará II, ela contava com ajuda do pai, que todos os dias de manhã segurava uma faixa com o nome dela em frente à estação Guará do metrô, ao lado da QE 24. Mas ela não se restringia em fazer campanha para o guaraense e percorria todo o Distrito Federal em busca de apoio – o reflexo disso foi a estratificação dos seus votos em todas as regiões administrativas.
Mesmo sendo moradora do Guará, Júlia Lucy, mineira de Patos de Minas, cientista política e gerente de projetos do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), não quer marcar seu mandato apenas em defesa da cidade. “Sou dos que acham que um deputado distrital não pode representar apenas uma categoria, uma cidade ou um determinado movimento. Tem que olhar pelos interesses de toda a população do DF. Claro que vou ter um olhar especial para a cidade onde moro, mas não a ponto de priorizá-la nas minhas ações”, avisa.

Independência
Aliás, ela promete independência de ações e opiniões como deputada distrital, por não ter sido financiada por ninguém – gastou apenas R$ 29.900,00 de recursos próprios – , e nem ter sido eleita por qualquer movimento ou corporação. “Sei que vou enfrentar resistências, mas não vou abrir mão de meus princípios e convicções. Meus eleitores e o brasiliense podem ter certeza que vou lutar pelo que prometi na campanha”, garante.
Quem vê Júlia falando com tanto entusiasmo de política não sabe que ela entrou na política por acaso. Não foi por meta, como acontece com muita gente que sonha com as benesses dos parlamentares brasileiros. Nem por vaidade. “Em 2006, participei como voluntária da campanha do então candidato a deputado distrital Antonio Reguffe por comungar com as ideias dele. Mas sem qualquer outro interesse. Resolvi ser candidata a distrital há um ano, quando minha filha, de 15 anos, me disse que pensavam em morar fora do Brasil por causa da decepção com os políticos brasileiros e com a situação do país. Coincidiu com o convite do partido Novo, que conheceu minha participação no movimento Câmara + Barata, e estava procurando candidatos com o perfil do meu. Foi o start. Entendi alí que não poderia ficar alheia ao que estava acontecendo e que precisaria dar minha contribuição para tentar mudar a opinião da minha filha. Arregacei as mangas e fui pra rua”, conta.
Entre as bandeiras da nova deputada distrital está, claro, a redução dos gastos da Câmara Legislativa. E esse será o primeiro projeto que pretende apresentar na casa, aliás, projeto de iniciativa popular que já angariou cerca de 23 mil assinaturas, que pode representar uma economia anual de R$ 75 milhões, ou R$ 300 milhões em quatro anos, recursos que poderiam, segundo ela, serem investidos, por exemplo, na criação de mais creches públicas, uma das suas outras bandeiras de campanha.

SHARE