Thaís Imobiliária é a melhor do DF pela 10ª vez

Empresa do Guará, que em 2018 completou 40 anos, novamente leva premiação máxima entre empresas mais lembradas do DF em sua categoria

2546
Giordano Garcia Leão recebe o reconhecimento do diretor do JBr, Renato Matsunaga

Virou rotina. A Thaís Imobiliária conquistou pela 10ª vez o prêmio Top of Mind como a imobiliária mais lembrada pelo brasiliense na pesquisa encomendada pelo Jornal de Brasília. Nesse período, foi também a que mais conquistou o prêmio O Colibri (oito vezes) como a mais consultada no portal WImóveis com mais de 100 mil acessos por ano, e a que mais vendeu imóveis no Distrito Federal no ano passado na Rede Brasília de Imóveis.
O prêmio do Jornal de Brasília foi entregue na semana passada, numa grande festa no Centro de Convenções de Brasília aos sócios da empresa, Giordano Garcia Leão e Liene e os filhos Lupércio, Carolina e Hugo Coutinho Leão.
O 10º Top of Mind chega no aniversário dos 40 anos da Thaís, que se consolida como uma das duas maiores do Distrito Federal na locação de imóveis, com cerca de 3.200 imóveis administrados na sua carteira. O feito é mais significativo porque a Thaís nasceu e continua com sua matriz no Guará, enquanto o mercado imobiliário mais significativo está no Plano Piloto e no eixo Taguatinga/Ceilândia.

A família Coutinho Leão na entrega da premiação

Segredos do sucesso
Mesmo com sede numa cidade intermediária, a Thaís conseguiu se destacar num segmento extremamente competitivo e de administração delicada por envolver interesses diversos de proprietários e inquilinos. Aos 40 anos, a Thaís aumenta não apenas no conceito do cliente mas também no horizonte. Desde 2009 está presente em Águas Claras e em 2012 abriu a filial do Plano Piloto e já prepara a abertura de filiais em outras regiões do Distrito Federal, através de franquias da marca, projeto que deve ser iniciado em dois anos.
O crescimento está alavancado também por um sistema de gestão novo, implantado este ano. “Automatizamos todos os processos e ganhamos mais em escala”, explica o diretor comercial Hugo Leão. Outra estratégia marcante da empresa neste ano foi investir em pessoas. Segundo Hugo, a maioria dos gestores fez acompanhamento de coaching e isso se reflete no desempenho profissional. “Conseguimos ver quais funcionários estão nas funções erradas e poderiam exercer melhor o trabalho nas funções certas”, explica.

Reduzindo a
inadimplência
Afinal, qual o segredo de uma empresa crescer no momento em que a maioria absoluta diminuiu ou fechou num segmento que sofre grande impacto com a crise? “Pés no chão”, responde Hugo, a quem os pais confiaram a chave do cofre da Thaís. “Investimos na redução dos custos sem sacrificar a qualidade do atendimento, na qualificação dos funcionários e no reforço dos critérios de seleção dos nossos clientes”, completa.
Outra explicação para o fenômeno, é a priorização no aluguel de imóveis enquanto a maioria das outras imobiliárias sobrevive da venda que sofreu forte queda no Distrito Federal. “A crise afastou o investidor e fez a maioria de quem precisa de imóvel optar pelo aluguel, por causa da dificuldade da obtenção e do custo do financiamento, além da queda da renda de uma forma geral”, explica Giordano.
E mesmo onde não está presente fisicamente, a Thaís chega ao locador, locatário ou vendedor de imóvel através da Rede Brasília de Imóveis e da Rede Avançada de Locação, que partilham as ofertas imobiliárias do DF, no caso da Rede Brasília, e do país, no caso da Rede Avançada, entidade parceiras da empresa guaraense.

Como tudo começou
Tudo começou em 1978, quando Giordano, a irmã Olímpia e o cunhado Danilo, que haviam deixado a pequena Bambui, interior de Minas Gerais, para abrir um escritório de contabilidade no Guará, para onde vieram morar com a mãe. Através do escritório de contabilidade, descobriram que o ramo imobiliário era mais rentável e havia um nicho no Guará. Alugaram uma sala num dos edifícios comerciais da QE 7 para começar o negócio. O nome surgia da homenagem póstuma à filha de Olímpia e Danilo, Thaís, portadora da síndrome de Down, que falecera com apenas um ano de idade. Depois, juntaram-se ao grupo os irmãos Landoaldo e Júlio.
Em 1985, Júlio foi embora para Belo Horizonte, onde viera a falecer dois anos depois. Aqui, os irmãos continuaram o negócio, que foi se ampliando na carteira e no espaço físico. Aos poucos, as salas do primeiro andar do edifício, na QE 7, foram se incorporando ao patrimônio da empresa, que hoje ocupa uma área de 400 metros quadrados.
Em 2007, Landoaldo, o irmão mais velho, deixou sua função na administração da Thaís, depois de também aposentar-se como funcionário da Câmara dos Deputados. Ficaram Giordano, a esposa Liene e os filhos Hugo e Lupércio – a outra filha Carolina é psicológa e trabalha num órgão público. Giordano, além de presidente da empresa, é, desde 2009, também presidente da Rede Brasília de Imóveis.

SHARE