Caronas solidárias regulamentadas

Lei do Professor Israel tem o veto derrubado pelo Plenário da Câmara Legislativa. Agora aplicativos de carona, como o Caronaphone, podem rodar legalmente

1337
A Câmara Legislativa derrubou o veto ao Projeto de Lei do Professor Israel e agora as caronas são legais

Você sabia que não é permitido oferecer caronas com divisão de custos em Brasília? Quem realiza a prática pode ser pego em fiscalização e acusado de transporte ilegal de passageiros. Entendendo que os tempos mudaram e que as caronas só têm a beneficiar a cidade, o deputado distrital Professor Israel (PV) criou o Projeto de Lei nº 1232/2016, que regulamenta o compartilhamento de veículos por meio de aplicativos.
O PL havia sido vetado em 2017 e na tarde desta terça-feira (27) teve o veto derrubado pelo Plenário da Câmara Legislativa. Agora aguarda a promulgação do governo para começar a valer. A lei considera carona solidária o transporte de passageiros sem fins lucrativos por meio de tecnologia. Os aplicativos ajudam o usuário a encontrar companheiros para compartilhar o veículo e as despesas do deslocamento.
Professor Israel, autor do projeto, defende que a carona solidária é uma tendência mundial, em um momento em que as cidades estão saturadas de veículos. “Precisamos valorizar inovações que transformem a mobilidade urbana da nossa cidade. Isso significa menos carros nas ruas emitindo poluentes e um trânsito mais tranquilo”, aponta o parlamentar.

Caronaphone
Os estudantes do Centro Interdisciplinar de estudos em Transportes, da Universidade de Brasília, desenvolveram o primeiro aplicativo de transporte brasiliense. A tecnologia já está disponível para uso e instituições como a própria UnB e o Senado incentivam seus servidores a adotarem a prática de carona solidária pelo aplicativo.
O aplicativo funciona com base em um raio de proximidade. Aqueles dispostos a dar carona devem se cadastrar, disponibilizar o trajeto, o horário e o número de vagas que têm no carro. Dessa forma, todos os usuários que estiverem por perto conseguem ver a carona oferecida e o perfil público do Facebook do motorista. Caso alguém solicite aquela carona, o motorista poderá visitar o perfil na rede social da pessoa e decidir se aceita a solicitação.
A ferramenta também permite que o motorista e o passageiro conversem através de chat do próprio aplicativo. Se mais de uma passageiro solicitar um mesmo motorista, eles também podem visitar o perfil um do outro e conversar entre si pelo bate-papo do aplicativo.
No momento do cadastro, é possível colocar um filtro de gênero para quem se quer dar carona ou para com quem se quer pegar carona. O filtro de gênero fica visível para todos os usuários.

SHARE