O que a cidade espera de 2020 em diante

Cinco grandes projetos vão impactar a cidade nos próximos anos, um deles, a privatização do Cave deverá ser implantada ainda no primeiro semestre. A construção do complexo hospitalar público e um particular, a Avenida das Cidades terão providências adiantadas. Creche até o final do ano

Após muitos anos sem investimentos de maior vulto, a Região do Guará termina 2019 com o anúncio de que vai receber cinco grandes projetos que vão impactar, e muito, a qualidade de vida de seus 145 mil habitantes nos próximos anos. O primeiro deles é a privatização do Complexo Esportivo e de Lazer do Cave, que tem seu edital para a escolha do concessionário previsto para ser lançado até fevereiro e com início das obras para o segundo semestre de 2020. Dois grandes investimentos serão na área da saúde, com a construção do complexo hospitalar da Região Centro-Sul, que terá Guará como sede, e o anúncio da parceria do governo local com uma empresa americana para a construção de um centro de excelência médica ao lado do ParkShopping, na Área 28A, na Região do Guará, que terão providências aceleradas no próximo ano. Ainda em 2020, deverá pronta a nova creche pública, com capacidade para 150 crianças carenes.
Anunciado no início de 2019, o Complexo Hospitalar Centro-Sul é o que está mais adiantado e aguardando apenas a conclusão do projeto técnico para que a obra seja licitada, com previsão dessa fase ser concluída até o segundo semestre de 2020. Falta também concluir a liberação dos recursos, parte do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) em forma de empréstimo ao GDF, e parte do orçamento da União. O do Centro de Excelência por enquanto não passa da intenção do governo de trazer a expertise da empresa norte-americana Health Care & Tecnology nesse tipo de projeto, com previsão de investimento de R$ 3,5 bi no centro hospitalar. Como é uma iniciativa privada, sem as amarras da burocracia governamental, o projeto pode andar mais rapidamente a partir da cessão do terreno, o que deve acontecer, de acordo com as previsões do governo, no primeiro semestre de 2020. O quarto grande projeto, a construção de uma creche pública no Guará II, foi anunciado pelo governador Ibaneis Rocha em novembro agora, mas com previsão de ser implantado em um ano, porque já existe um projeto técnico padrão e recursos do governo federal disponíveis. E o quinto é antigo, mas pode ser acelerado também no primeiro semestre, quando deve ficar pronto o modelo de parceria para a construção da Avenida das Cidades (ex-Interbairros), que cortará a cidade ao meio, trazendo junto o Centro Metropolitano do Guará, um conjunto de projeções comerciais e residenciais às margens da nova via expressa, no espaço da rede de alta tensão de Furnas, que será toda enterrada.


PPP do Cave quase pronta para ser iniciada
Com a realização da audiência pública agora em dezembro, penúltima etapa legal – falta somente o parecer do Tribunal de Contas do DF -, a concessão do Cave à iniciativa privada deve ser liberada para a escolha dos interessados em fevereiro.
A PPP (parceria público-privada) compreende a cessão do estádio, do ginásio coberto, Clube Vizinhança, Teatro de Arena, quadras poliesportivas, pista de skate a pista de motocross, com investimentos previstos de R$ 27 milhões, inteiramente do setor privado. Esse valor compreende o término da obra do estádio, a demolição e construção de outro ginásio poliesportivo e a revitalização de toda a área.
O processo de licitação do Cave começou em 2016 com a publicação do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), para obter estudos de modelagem técnica, econômico-financeira e jurídica. De acordo com o texto de apresentação do projeto, “a privatização vai promover a integração dos equipamentos esportivos com constitução um novo clube, que contará com estádio de futebol, arena multiuso, piscinas, churrasqueiras, quadras poliesportivas, quadras de tênis e playground que abrigarão eventos esportivos, lojas de esporte e vestuário, lanchonetes, academia e outros serviços recreativos”. Entre as obrigações, o concessionário terá que concluir a reforma do estádio do Cave, paralisada há quatro anos por causa de erros no projeto e divergências com a empreiteira. O concessionário terá direito a explorar o espaço por 30 anos, prorrogáveis por mais cinco anos.


Dois novos grandes hospitais
O que era um sonho do deputado distrital Rodrigo Delmasso, morador da cidade, a construção do hospital da região Centro-Sul no Guará começou a tomar forma no final de novembro, quando o governador Ibaneis Rocha confirmou em entrevista à TV Record, as providências oficiais para iniciar a construção. O complexo hospitalar, de acordo com o projeto elaborado por técnicos da Novacap e da Secretaria de Saúde, terá 375 leitos e será erguido no terreno do Centro de Saúde II, ao lado das QEs 19 e 19 do Guará II.
Ibaneis pretende apresentar o projeto em janeiro, que já tem garantidos R$ 40 milhões no Orçamento Geral da União, mais R$ 64 milhões de emendas parlamentares de Delmasso no Plano Plurianual do GDF. Orçada em R$ 220 milhões, a construção deverá ter o aporte de mais R$ 120 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que já deu o sinal verde para o financiamento.
Dos 375 leitos previstos, 245 serão para enfermaria, 30 para UTI adulto, dez para a Neonatologia e 90 para o pronto-socorro. O complexo terá ainda uma estrutura ambulatorial composta de policlínica, centro de apoio diagnóstico, centro de exames e central de laudos de radiologia. A área total será de 37 mil metros quadrados, sendo 33.500 do hospital e o restante das unidades de apoio.


Complexo hospitalar ao lado do ParkShopping
A empresa da norte-americana HealthCare & Technology, com experiência na gestão de centros de excelência na área de saúde, pretende investir cerca de R$ 3,5 bilhões no Centro Internacional de Medicina Especializada, a ser construído em uma área de 162 mil metros quadrados próxima ao ParkShopping, na região do Guará.
O terreno, metade da área 28A, que pertencia ao Parque Ezechias Heringer mas que foi desafetada em troca da expansão da área do parque, está sendo oferecida pelo governo aos americanos para a implantação do empreendimento, que pode gerar até 40 mil empregos (10 mil diretos e 30 mil indiretos), de acordo com informações de Ibaneis. O governo trabalha também com a possibilidade de parceria do SUS em um centro de excelência da magnitude do Centro Internacional de Medicina Especializada. Dele fazem parte hospitais e clínicas especializadas, laboratórios, clube médico, centros de ensino e pesquisas médicas, universidade de medicina, centro de convenções, auditório, hotéis, e um centro com áreas coorporativas e comerciais.
O primeiro empreendimento do complexo será a construção do hospital MD Anderson, considerado uma referência mundial na área de oncologia e hematologia. Com previsão de início da operação em dois anos e meio, e deve gerar 8 mil empregos, com um investimento de R$ 484 milhões.
A previsão do complexo é atender as demandas no tratamento especializado das regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste além de, como centro internacional de referência, receber, inclusive, pacientes de outros países.


Governo resgata e quer implantar logo a avenida das cidades
Idealizada no governo Cristovam Buarque como Interbairros, transformada em sonho de consumo do inacabado governo Arruda, promessa de campanha dos então candidatos a governador Agnelo Queiroz e Rodrigo Rollemberg (quando passou a ser chamada de TransBrasília), a via de ligação entre Samambaia e o Plano Piloto está sendo ressuscitada com o nome de Avenida das Cidades pelo governo Ibaneis, com a determinação de, finalmente, ser implantada. Considerada a maior obra viária da história do Distrito Federal depois da implantação de Brasília, a via é a aposta para ser o grande marco do novo governo, capaz inclusive de ajudar na sua reeleição. Por isso, a ordem é jogar todas as cartas no projeto, como está fazendo a Secretaria de Projetos Especiais, que cuida da busca de parcerias nas ocupações de áreas públicas, as chamadas PPPs.
Discutido e elaborado até então apenas dentro do governo, o projeto da Avenida das Cidades foi apresentado em setembro pela primeira vez aos moradores da área influenciada pelo seu trajeto.
De acordo com o secretário de Projetos Especiais, Everardo Gueiros, o projeto já superou todos os entraves burocráticos, de regulamentação e estão adiantadas as negociações com a concessionária Furnas, a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e a Terracap para o enterramento da linha de alta tensão de todo o percurso de 26 quilômetros. Está pronta também a licença ambiental, concedida pelo Instituto Brasília Ambiental (Ibram).
O projeto da Avenida das Cidades vai promover “intervenções modernas” de mobilidade e ocupação urbana, semelhantes às implantadas em projetos parecidos em Nova Iorque e em Paris, com ciclovias, pistas de caminhada, calçadas e conexões com o metrô e acessos aos oito parques do trajeto.


Cidade vai ganhar uma nova creche pública
O déficit de vagas para crianças carentes no Guará será reduzido a partir do segundo semestre de 2020, quando deve ficar pronta uma nova creche pública na cidade – já existe uma na quadra Lúcio Costa. O governo Ibaneis anunciou em novembro, a construção de dez novas creches públicas no Distrito Federal, com capacidade para atender até 150 crianças cada. A creche do Guará será construída entre as QEs 17 e 19, ao lado do colégio Centrão.
As creches serão construídas com recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que estavam represados desde 2012 e foram resgatados agora pelo governo Ibaneis.
As providências, segundo o governo, estão bem adiantadas. Os terrenos para as instalações já estão definidos e os projetos arquitetônicos, elétricos e hidráulicos prontos. Além dos recursos do FNDE, o GDF vai destinar mais R$ 25,5 milhões em contrapartidas para a construção das 15 creches. O valor vai financiar obras de acessibilidade no entorno das escolas, além da compra do mobiliário.
Como a construção obedece a um projeto padrão, a obra pode começar assim que a empreiteira de cada uma for escolhida, com previsão de ficarem prontas até o final de 2020 e iniciar a ocupação em janeiro de 2021.

SHARE