Mães e Filhas do Guará vira Instituto

O Instituto Donna nasceu por meio de rodas de conversa idealizadas por quatro mulheres

16373

Uma ideia na cabeça e duas mulheres determinadas em fazer a diferença. Elas fazem o que querem com muita responsabilidade e fazem acontecer da forma que traçam seus objetivos. Foi assim que surgiu o grupo no Facebook, Mães e Filhas do Guará – Brasília DF, criado por Tâmara Mansur e Mayara Franco. O espaço virtual só aceita mulheres, a qual, elas podem compartilhar seus medos, ansiedades e problemas. No grupo elas recebem ajuda psicológica, incentivo e inspiração em mulheres que venceram na vida. Além de aprender como planejar e gerir um negócio. 

“Conseguir gerir o papel de mãe com o de mulher trabalhadora pode ser uma tarefa bastante desgastante e absorvente. O Mães e filhas nasceu da vontade de ajudar mulheres nesta jornada. São diferentes papéis que querem representar e ao mesmo tempo desempenhar com igual empenho, dedicação e sucesso”, conta Tâmara Mansur.

Com o crescimento do grupo, que ultrapassa 34 mil membros, o próximo passo é a criação de um Instituto, que nasce a partir das experiências pessoais de mulheres que se defrontam diariamente com os desafios pela igualdade no mercado de trabalho e no âmbito do empreendedorismo.

O Instituto Donna nasceu por meio de rodas de conversa, idealizadas por Tâmara Mansur, Mayara Franco, Gisele Montenegro e Valéria Araújo. O objetivo é trabalhar a autoestima, a capacitação pessoal e profissional e fortalecer os laços de cooperação e o protagonismo da mulher numa sociedade superconectada, mas que não deve abrir mão da sensibilidade e da dignidade humanas.

Instituto Donna

Valéria Araújo, uma das idealizadoras, ressalta a importância de incentivar as mulheres para que elas possam ser bem sucedidas no mercado de trabalho e vencer desafios.

“Vamos trabalhar com as mulheres a capacitação financeira, acesso a linhas de microcrédito e incentivá-las por meio da capacitação pessoal e inteligência aplicada aos negócios. A gente vai dar tratamento, consulta, palestra, ajudar umas as outras e dar as mãos para construir algo diferente e revolucionário em Brasília. Vamos mostrar que as mulheres unidas fazem a diferença”, disse.

O Mães e Filhas do Guará já realizou o sonho de muitas mulheres. Lorena Sousa, uma das integrantes do grupo, começou a produzir sozinha caderneta de vacinação para bebê, e hoje ela já tem quatro funcionárias trabalhando com ela, graças ao incentivo sobre empreendedorismo.


Valéria Araújo e Tâmara Mansur

“Com a criação do Instituto Donna, o grupo continuará abordando a autoestima das mulheres, ansiedade, depressão, relações sociais e coo dependência nas relações, em que elas são destruídas e muitas vezes não percebem”.  E o que destaca a psicóloga, Juliana Gebrim.

A psicóloga que é conhecida em Brasília pelo ótimo trabalho prestado, também fará parte do Instituto Donna, e irá trabalhar a psicoeducação das mulheres, como aspectos emocionais no sentido de capacitar, enfrentar situações e questões práticas colocadas pelo transtorno.

“A minha ajuda para essas mulheres vai ser no sentido de uma psicoeducação, elas saberem informações e termos que ainda não estão cientes. Elas irão começar a ter esse conhecimento e pegar as rédeas da própria vida. Eu quero detectar práticas para as mulheres fazerem quando elas sentirem que está tendo uma invasão. A gente vai ajuda-las a entender melhor as situações que elas passam no dia a dia. O projeto vai crescer e o objetivo é expandir para o Brasil’’, afirma Juliana Gebrim.

2019 promete. O Instituto Donna, que terá um escritório no Brasília Shopping, oferecerá uma extensa agenda de palestras, cursos e seminários voltados para o seu público principal, que são as mulheres, com atenção especial para os segmentos que se encontram em risco social e de baixa renda.

O novo grupo em mais uma reunião de trabalho

SOURCEpor Wenderson Beckster
SHARE